Temperaturas mínimas recordes nos Sertões de Pernambuco e Bahia

Nesta sexta-feira 14/07/2017, a temperatura na região de Petrolina e Juazeiro, assim como em várias localidades do Sertão de Pernambuco e Bahia, foi muito baixa, em comparação com os valores comumente observados. Nas zonas rurais de Petrolina e Juazeiro, onde o Laboratório de Meteorologia – LABMET da UNIVASF e o DTCS/UNEB veem fazendo medidas desde o ano de 2007 e 2006, as temperaturas foram as menores registradas nos últimos 10 anos. No Campus de Ciências Agrárias da UNIVASF em Petrolina, a temperatura foi de apenas 14,4o C e no Campus da UNEB em Juazeiro, menor ainda 13,5o C. Por outro lado, nas áreas urbanas das duas cidades, as quais, em função das estruturas de asfalto, concreto e prédios de um modo geral, absorverem mais calor durante o período diurno e conservar um pouco desse calor absorvido durante a noite e também do bloqueio do vento, que termina não dispersando calor, as temperaturas mínimas foram um pouco maiores do que nas zonas rurais. Vejamos os índices registrados na zona urbana de Petrolina: no Condomínio Portal das Águas 16,8o C e no Bairro Gercino Coelho, Estação do INMET 16,9o C. Em Juazeiro, no Bairro Dom José Rodrigues, a estação meteorológica da UNIVASF registrou 15,7o C. Isso mostra que o frio em Juazeiro, tanto na área rural como na área urbana foi mais acentuado do que em Petrolina.

Fazendo um relato resumido dessa onda de frio observada 14/07/2017, para os locais que dispõem de Estações Meteorológicas do INMET, no Sertão de Pernambuco e no Sertão da Bahia, pode se afirmar que a onda de frio foi muito abrangente. No Sertão da Bahia, foram registradas temperaturas: Remanso 17,2o C Jacobina 16,0o C; Curaçá 15,7o C; Senhor do Bonfim e Uauá 15,5o C; Euclides da Cunha 14,7o C; e Morro do Chapéu a cidade que teve a menor temperatura mínima 13,1o C. No Sertão de Pernambuco tivemos: Ouricuri 16,8o C; Cabrobó 16,6o C; Serra Talhada 16,5o C; Floresta e Ibimirim 15,6o C; e por fim na cidade de Triunfo, a qual devido sua altitude mais elevada, em média tem as menores temperaturas dentro do estado de Pernambuco, a temperatura despencou, atingindo 12,9o C.

Chuvas fortes em Petrolina e região

As chuvas caídas em Petrolina, Juazeiro e região  entre a noite do dia 20 até as 06:00h do dia 21 de fevereiro de 2017, foram muito boas e em algumas áreas foram extremamente fortes. Em Petrolina, na estação meteorológica da UNIVASF no Campus de Ciências Agrárias (no Burrinho), o índice foi o mais elevado 68 mm, esse índice representa o que é esperado para todo o mes de fevereiro; na estação do INMET no bairro Gercino Coelho choveu 48,6 mm; no bairro Jatobá 30,6 mm; nas estações do APAC/CEMADEM no bairro Jardim São Paulo 45,4; no José e Maria 43,2 mm; e na cohab Massangano 44,4 mm.  Em Juazeiro, na estação meteorológica da UNIVASF na área do Espaço Plural (antiga FACJU), o índice foi de 35,8 mm, Campus da UNiVASF no bairro Santo Antônio 27,1 mm e na estação meteorológica da UNEB no bairro São Geraldo, o índice foi 22,8 mm. Em Serra Talhada a chuva também foi forte atingiu 68,0 mm; Cabrobó 38,4 mm; Ouricuri 16,6 mm; Ibimirim 11,8 mm; Floresta 7,6 mm e Uauá 21,0 mm.

Chuvas na bacia do Rio São Francisco

Considerando a importância da estação chuvosa nas regiões Sudeste e Centro-Oeste para o armazenamento de água na barragem de Sobradinho, o Laboratório de Meteorologia da UNIVASF, vem através desta matéria oferecer informações sobre a situação da distribuição da precipitação pluviométrica nos últimos dias ao longo da bacia hidrográfica do Rio São Francisco. Conforme pode ser observado nos mapas que mostram a distribuição de chuvas no Brasil produzidos pelo INMET - Instituto Nacional de Meteorologia, apresentados abaixo, nos quais é mostrada a distribuição das chuvas que ocorreram no dia 15/11/2016, nos últimos três dias (de 13 a 15/11/2016), bem como as  que ocorreram nos últimos 30 dias em todo o Brasil. Analisando-se os respectivos mapas, observa-se que  na região Sudeste, na região Centro-Oeste e na Bahia, ocorreram índices razoáveis de chuvas,  e boa parte dessas chuvas caíram consequentemente na bacia do Rio São Francisco. Ou seja, as chuvas estão acontecendo como é esperado para esta época do ano. Portanto, as chuvas na bacia do Rio São Francisco estão ocorrendo conforme o calendário normal de sua ocorrência. Diante disso, parte das águas destas chuvas já está se deslocando dos riachos para os rios que compõem bacia e destes para o Rio São Francisco e em breve estará chegando a barragem de Sobradinho. Em resumo, a tendência é que as chuvas irão continuar ocorrendo dentro da normalidade e o período chuvoso na bacia do Rio São Francisco que normalmente se estende até março/abril contribua para aumentar o volume de água armazenado na barragem sobradinho.  Veja matéria completa clicando aqui

Leia mais: Chuvas na bacia do Rio São Francisco

Chuvas e armazenamento de água em Sobradinho

Chuvas e armazenamento de água em Sobradinho

Considerando a importância das chuvas para o armazenamento de água na barragem de Sobradinho, o LabMet/UNIVASF vem através desta matéria mostrar a distribuição da precipitação pluviométrica nos últimos 30 e 90 dias na bacia hidrográfica do Rio São Francisco. Conforme pode ser observado nos mapas  de distribuição das chuvas registradas nas estações da rede meteorológica do Instituto Nacional de Meteorologia -  INMET, os quais são apresentados abaixo,  chuvas razoáveis vêm ocorrendo em toda área da bacia hidrográfica do Rio São Francisco (Minas Gerais e Bahia). Ou seja, as chuvas na bacia do Rio São Francisco estão ocorrendo mais ou menos dentro da normalidade, não apenas nos últimos 30 dias, mais também nos últimos 90 dias. Vê-se que em algumas áreas em Minas Gerais nos últimos 30 dias o índice de precipitação atingiu entre 150 e 200mm, já no Oeste da Bahia o índice totalizou entre 120 e 150mm. Em relação aos últimos 90 dias, em algumas áreas em Minas Gerais os índices variaram de 600 a 700mm e  no Oeste da Bahia de 400 a 500mm. Em resumo, a tendência é de que as chuvas irão continuar ocorrendo sobre a bacia do Rio São Francisco até e o final do período chuvoso, que geralmente vai até março ou abril. Diante disso,  espera-se que até o mês de maio continue chegando mais água na barragem de Sobradinho. Veja matéria completa clicando aqui

Leia mais: Chuvas e armazenamento de água em Sobradinho

Região tem a madrugada mais fria do ano

As regiões Norte da Bahia e Oeste de Pernambuco polarizada por de Petrolina, Juazeiro e vizinhanças tiveram no dia 04/08/2016, a madrugada mais fria do ano, . De acordo com os dados observados nas estações meteorológicas da UNIVASF em Petrolina e Juazeiro, bem como na estação meteorológica da UNEB e nas estações do INMET, os seguintes valores de temperatura do ar foram registrados na madrugada do dia 04/08/2016: Juazeiro estação UNEB (14,2 °C); Juazeiro estação UNIVASF (17,5 °C); Petrolina estação localizada no 25 do Projeto Maria Tereza a temperatura foi a mais baixa de toda região 13,2 °C; Petrolina estação UNAIVSF (14,7 °C); Petrolina estação INMET (18,5 °C); no lado da Bahia, em Uauá estação INMET  (14,6 °C); Curaçá estação INMET  (19,5 °C); Senhor do Bonfim estação INMET  (15,7 °C); e Remanso estação INMET (17,9 °C); no lado de Pernambuco, em Ouricuri estação INMET  (17,7 °C) e Cabrobó estação INMET  (17,8 °C). Essa temperatura registrada na estação meteorológica da UNIVASF em Petrolina na madrugada do dia 04/08/2016 é apenas  um décimo de grau centígrado maior do que a registrada em Petrolina no dia 18/08/2007 (14,6 °C). Ou seja apenas um décimo menor do que na madrugada de 04/08/2016. Em Juazeiro, a menor temperatura na estação da UNIVASF desde abril de 2007 até hoje, havia sido registrada na madrugada do dia 07/07/2010. Entretanto,  na estação da UNEB, devido a sua localização geralmente as temperaturas são mais baixas, visto que o ar passa nesta estação antes de entrar na área urbana de Juazeiro. Já na estação da UNIVASF, devido o ar passar primeiro sobre a área urbana, se aquece antes de chegar na referida estação. Portanto, normalmente as temperaturas são mais elevadas na estação da UNIVASF do que na estação da UNEB. Em Petrolina, essa situação, ainda é mais acentuada, quando se compara os dados de temperatura observados na estação do INMET, localizada do Bairro Gercino Coelho e os dados observados na estação da UNIVASF, localizada no Campus da UNIVASF, fora da área urbana. Portanto, nas áreas urbanas de Petrolina e Juazeiro devido o maior aquecimento, as temperaturas são mais elevadas  do que em suas áreas rurais.  

  


In order to view this object you need Flash Player 9+ support!

Get Adobe Flash player
Joomla! Slideshow